Honra ao mérito, e não à morte!


Quando eu era criança, achava que o Japão ficava logo depois dos Estados Unidos. Como se o Canadá fosse a Terra do Sol nascente. Até os oito ou nove anos, o meu conhecimento geográfico era semelhante ao dos medievais. Nunca havia lido o Almagesto de Ptolomeu, mas igualmente a ele, eu acreditava numa terra plana, central, aonde os países iam se perfilando um atrás do outro, de forma que com apenas uma rodovia era possível chegar até o fim do mundo, ou o Japão.

Depois que as aulas de história e geografia colocaram minhas teses geocêntricas no canto da vergonha, vi que a ilha dos samurais ficava em outro extremo, bem longe dos Estados Unidos e menor do que eu imaginava. Na mesma época comecei a fazer aulas de karatê. Obviamente precisei saber mais sobre a cultura daquele povo de olhos puxados e de escrita indecifrável. Durante o período em que permaneci nas artes marciais, os clichês de que os japoneses eram sábios, corretos, saudáveis, concentrados, inteligentes e focados foram se solidificando na pasta de respostas prontas que levo na cabeça. E que todos nós também levamos.

Depois que o brilho do catar ficou fosco, e sem mais saber contar até dez em japonês, aquela resposta pronta referente aos orientais ainda continuava vivaz. Posteriormente, quando me interessei ainda mais pelos orientais, com suas religiões e técnicas medicinais milenares, a base sólida ficou ainda mais firme: "Eles são os caras".

Foi bom enquanto durou. Durante essa semana uma TV brasileira exibiu uma reportagem referente ao suicídio em massa que vem acontecendo no Japão. Segundo pesquisas, a cada 17 minutos alguém se mata na ilha nipônica. O motivo seriam as decepções pessoais. Os japoneses não sabem lidar com a derrota. Uma demissão, uma dívida ou algum pormenor que possa envergonhá-lo perante a família e a sociedade já podem levar o camarada a pensar se ainda é vantajoso viver.

Esse desprezo pela vida ou exaltação exacerbada pela honra vêm de muito tempo. Milênios. Desde eras imemoriais, antes mesmo de Confúcio ou Sidarta Gautama inovarem com novos pensamentos no Nepal, China e demais países asiáticos, os samurais, desde pequenos, já aprendiam a lutar até morrer, e se por acaso perdessem uma simples batalha ou rixa pessoal, era melhor se matar do que voltar para casa "desonrado". E assim são os japas até hoje.

Segundo um pesquisador, essas pessoas são assim porque são tímidas. "Os japoneses não dividem seus sentimentos com ninguém. Guardam tudo e quando não tem mais jeito explodem", afirmava sorrindo o pesquisador, que por sinal era japonês. Pensando nisso, um determinado senhor, em Tóquio, montou um consultório, onde a finalidade era ouvir os suicidas. Está pensando em se matar? Ligue para a gente! O idealizador da causa garante que todos os que desabafam com ele desistem de morrer. Boa maneira de ganhar dinheiro salvando vidas.

Por isso que o canto da vergonha, onde estavam as minhas concepções pueris de terras planas, agora abriga mais uma idéia morta, a de que os japoneses são "os caras". De que adianta saber tanto sobre chips e robôs, ou massagens e acupunturas se um simples tropeço cotidiano já é motivo para tirar a própria vida? O suicídio é muito mais vergonhoso do que qualquer ato. O suicida é tão medroso que não consegue lidar com a vida, que jamais será perfeita. Onde está a honra em se matar?

Penso em nós, brasileiros. Não conhecemos técnicas novas na robótica, nossa história só tem 500 anos, na maioria dos lares ainda se usa o Windows 98 (quando se tem computador), a educação não é como na Suíça, mas se um de nós for demitido, é mais fácil sair da empresa e tomar uma gelada no bar do que se matar. Estou mentindo?

Nós sabemos lidar com o fracasso melhor do que ninguém. Não porque somos fracassados nem acomodados, mas pela coragem que nos abunda. Levamos "porrada" do governo, da sociedade, dos donos do mundo, dos ricaços, do sistema, mas mesmo assim pouquíssimos são os que pensam em tirar a vida a cada 17 minutos nesta terra de Santa Cruz.

Quantas famílias vivem miseravelmente no Brasil? Imaginem se cada uma dessas pessoas se matasse porque não conseguem emprego, ou por não fazerem três refeições por dia… Nós é que somos "os caras". Não dominamos a acupuntura, mas nossos olhos não são fechados. Nem um pouco. Vivemos com os olhos arregalados, pois os corajosos são os que espreitam o dia a dia com frio na barriga à espera do improvável. Nossa vontade de morrer é tão grande quanto a vontade de viver dos nipônicos. Chorar pelos desmantelos da vida é ser humano. Morrer pelos mesmos motivos é ser covarde.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s